sábado, 23 de fevereiro de 2013

Hibu, Uma Marca Portuguesa

Marta Gonçalves é licen­ci­ada em Design de Moda e Têxtil pela Escola Supeior de Artes Aplicadas de Castelo Branco e resol­veu lan­çar a HIBU, uma nova marca de roupa. É natu­ral de Lisboa, tem 21 anos e iniciou o seu processo artístico na escola António Arroio, tendo mais tarde tra­ba­lhado com figu­ri­nos, cená­rios e ade­re­ços de cena. Daí para a moda foi um pequeno passo em parte devido ao gosto pes­soal e à pro­cura da con­ci­li­a­ção da sua visão artís­tica com o desa­fio comercial.




HIBU. é uma nova marca por­tu­guesa de urban style, para homem e mulher. A marca apre­senta peças de roupa mas tam­bém aces­só­rios e distingue-​​se pela cri­a­ção de peças over­si­zed e andró­gi­nas e pelos seus padrões únicos.HIBU. con­juga diver­sas abor­da­gens na con­cep­ção das peças, desde as con­cep­tu­ais às comer­ci­ais, gos­tando de explo­rar diver­sos materiais, con­cei­tos e estilos.




Porquê esse nome?
HIBU. é uma alte­ra­ção da pala­vra fran­cesa Hibou, que sig­ni­fica mocho ou coruja. É uma alcu­nha que tenho desde pequena por parte da famí­lia e achei que se adap­tava ao con­ceito da marca. A deci­são da alte­ra­ção da pala­vra foi ape­nas para se adap­tar a várias lin­gua­gens, man­tendo a sua foné­tica e sig­ni­fi­cado, e claro, tam­bém para ganhar um pouco de originalidade.




Quais são os objectivos da marca?
Os objec­ti­vos são dar a conhe­cer a marca, naci­o­nal e inter­na­ci­o­nal­mente, con­se­guindo che­gar a todo o tipo de pes­soas e cul­tu­ras.
O reco­nhe­ci­mento como uma marca ino­va­dora e cri­a­tiva, con­ci­li­ando a poten­ci­a­li­dade da indus­tri­a­li­za­ção com as carac­te­rís­ti­cas únicas que dão indi­vi­du­a­li­dade à peças concebidas.




Como carac­te­ri­zas a tua última colec­ção?
A última colec­ção, Forester, é uma colec­ção de Outono/​Inverno ins­pi­rada na tribo Cusco, cons­ti­tuída pelos índios do Perú.
Forester, inspira-​​se nas ves­tes tra­di­ci­o­nais desta tribo mas tam­bém no con­tacto que estes demons­tram ter com a natu­reza.
Recorrendo prin­ci­pal­mente a malhas e lãs, esta é uma colec­ção onde pre­do­mina o total print e as dife­ren­tes tex­tu­ras, apre­sen­tando peças over­si­zed, andró­gi­nas e desproporcionais.




In: www.parqmag.com

Sem comentários:

Enviar um comentário